Logo Site
Microfisioterapia

 

A Microfisioterapia é uma técnica de fisioterapia manual que pode identificar a causa primária de uma doença ou sintoma, e estimular a auto-cura do organismo para que o corpo reconheça o agressor (antígeno) e inicie o processo de eliminação através de reprogramação celular e tecidual. Através de técnicas de micropalpação seletiva o fisioterapeuta procura no corpo onde essas memórias se instalaram e provocaram sintomas locais ou a distância. Uma vez encontrados tais traços, realiza-se por meio da terapia manual específica deste método a simulação da eventual agressão e posterior estimulação suave de auto-correção para restabelecer as funções do organismo, eliminando assim doenças e promovendo a saúde Corpo e Mente. As mãos do Fisioterapeuta mobilizam e estimulam os diferentes tecidos de acordo com o tipo de agressão (tóxica, química, física e emocional). Esta técnica é aplicável em todas às idades, num objetivo terapêutico ou preventivo. 

 

Indicações: Depressão, fibromialgia, insônia, problemas gástricos, refluxo, síndrome do pânico, dores crônicas, entre outras

 

A microfisioterapia foi objeto de mais de 30 tipos de avaliações, algumas em meio hospitalar. Protocolos rigorosos (duplo cego) mostraram o efeito benéfico da écnica em 74% dos pacientes que se sofriam de colopatia crônica.

 

Investigações em laboratórios foram efetuadas da mesma forma, referente aos ritmos vitais do organismo vivo. Na Europa, foram realizados 42 trabalhos científicos. No Brasil, as pesquisas estão sendo realizadas, pacientes estão sendo examinados através das respostas do sistema nervoso autônomo e da variabilidade cardíaca antes e depois da sessão, para que os resultados sejam avaliados.

Na Europa, são cerca de 5,000 profissionais. Por lá, o governo já reconhece a microfisioterapia e paga por esse tipo de sessão, vendo-se tamanho benefício na qualidade de vida, diminuição de medicamentos e bem-estar das pessoas.

 

Baseada no desenvolvimento do embrião e do sistema nervoso deste, a microfisioterapia tem o suporte da epigenética, que já comprova que o ambiente e estados emocionais alterados podem afetar a atividade celular e, consequentemente, desencadear sintomas físicos, mentais e comportamentais, influenciando mais até mesmo que o próprio genoma, quando se trata do surgimento de doenças.

O corpo pode nos contar várias coisas, e ele nos revela o que chamamos de inconsciente corporal. Isso acontece porque uma parte do cérebro, o hipocampo, tem uma capacidade de armazenar memória muita reduzida, e o corpo é usado como um HD externo que guarda boa parte das memórias.

 

Na microfisioterapia, procuramos as memórias do inconsciente, que já foram guardadas e foram estocadas no corpo. As memórias ruins e traumáticas, para nós, estabelecem uma relação entre o cérebro emocional ou límbico com o hipocampo, que é onde nós guardamos as memórias. Portanto, com o toque, o corpo irá falar sobre aquilo que você normalmente possa ter esquecido ou nunca ter enfrentado. A resposta é rápida, e o corpo terá suas estratégias para que essas memórias sejam evacuadas, e depois serem trabalhadas com a medicina e a psicologia.

 

Através de palpações sutis, o fisioterapeuta encontra no corpo cicatrizes deixadas por sobrecargas físicas (ex: excesso de trabalho), emocionais ( perdas na família, separações abandonos, contrariedades), toxicológicas (ex: drogas, medicamentos, quimioterapia) e traumáticas (x: lesões esportivas acidentes de trânsito, quedas). É possível identificar essas cicatrizes, pois o profissional treinado procura em lugares específicos a sensação de falta de ritmo vital dos tecidos.

Todos os seres vivos  (células, plantas, animais, órgãos, tecidos, etc) trabalham em um ritmo fisiológico próprio que proporciona um estado saudável. Quando são expostos a alguma sobrecarga que ultrapasse o limiar de defesa do organismo, perdem o ritmo vital, gerando os sintomas ou doenças.

 

É possível estimular todo o sistema nervoso do organismo através a pele e, com isso, re-informar o corpo nos locais onde estão as cicatrizes, desbloqueando o ritmo vital e estimulando a auto-cura. Assim, uma vez corrigido os bloqueios, os sintomas gerados por eles também são corrigidos, sejam eles sintomas físicos (dores, alergias, alterações hormonais, etc) ou emocionais (síndrome do pânico, fobias, baixa autoestima, depressão, etc).